Mantenha-se aberto

 

Quantas vezes você já torceu o nariz para uma comida diferente? Olhou torto pra alguém com um estilo totalmente diferente do seu? Olhou para um livro ou filme e achou que não era a sua praia antes mesmo de saber do que se tratava?

E depois disso, quantas vezes você se permitiu deixar seus pré conceitos de lado e ver do que se tratava?

Espero que muitas. Porque se abrir à novas ideias, gostos, sons, cheiros, ouvir o ponto de vista de outra pessoa, tudo isso é extremamente enriquecedor. Arranca você da zona de conforto, sacode suas opiniões, mexe com o paladar, permite novas sensações e ainda estimula a criatividade.

Quando viajo, uma das coisas que mais me desperta curiosidade é a comida do local. Acho que é uma parte fundamental da cultura de um povo e ajuda a vivenciar a realidade do lugar onde está. Ainda mais na minha área (estudo Gastronomia), penso que precisamos estar abertos e atentos para os novos sabores. Nada de nojinho! Prove e deixe que um alimento lhe surpreenda, lhe arrebate. Ou se não gostar, pelo menos terá conhecido o sabor antes de dizer “não gosto”.

Tento muito não julgar as pessoas pelo estilo e já tive muitas surpresas felizes graças a isso, conhecendo pessoas com gostos e estilos diferentes do meu que me fizeram mudar algumas opiniões e pontos de vista, inclusive alguns bastante arraigados. Se permita também conhecer mais a fundo alguém que você pensa não ter nada em comum com você. Eu garanto, pode ser surpreendente – no bom sentido.

Da mesma forma, aquele livro que você pensou que fosse bobinho pode se tornar um dos seus preferidos. Ou aquele que todo mundo diz que é maravilhoso e desponta nos mais vendidos há meses pode não ser interessante pra você. Só vai saber depois de ler.

E músicas diferentes, então? Eu que nem sou uma pessoa tão musical descobri que adoro garimpar músicas novas que combinem com meu estilo, mesmo que ninguém conheça. Adoro os posts “Para ouvir” da Gabi do Teoria Criativa, por exemplo. Sempre tem coisa boa lá, além da sensação “surpreenda-me” de receber uma indicação e ouvir sem ter ideia do que se trata. 

Também foi através do Teoria Criativa que eu conheci os textos da Nina do Cronista Amadora. Viciei. Cada post é uma reflexão, como o “Mais que um corpo“.

Sem contar que através desses e de outros blogs igualmente interessantes, tenho aprendido sobre o que realmente significa o feminismo. Conhecer melhor esse conceito para o qual torcia o nariz por considerar extremista me fez ver o quanto estava errada e, bem, sacudiu minhas convicções.

Entenda que não estou dizendo que você precisa se desfazer dos velhos conceitos. Pelo contrário, quero propor que você os enriqueça, os confronte, mude o que achar que não vale mais, fortaleça aqueles que se sustentarem.

Sacudir nossas ideias não nos torna pessoas voláteis, camaleões sem opinião. Só, penso eu, camaleões mais interessantes.

Beijos,

Gi

 

Sugestão: leia ouvindo CHVRCHES – The Mother We Share (não pela letra, mas porque esse ritmo gostoso foi um dos que hoje embalou minha escrita):

 

 

Anúncios

2 comentários sobre “Mantenha-se aberto

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s